Juri popular condena padrasto a 54 anos de prisão pela morte do bebê Maria Clara

Corpo decapitado da pequena Maria Clara foi encontrado pela Polícia Civil na tarde de 14 de outubro

Juri popular condena padrasto a 54 anos de prisão pela morte do bebê Maria Clara
Maria Clara, morta cruelmente no dia 13 de outubro de 2020

Da Redação Um crime que chocou Pindamonhangaba e região  teve o desdobramento previsto na tarde desta terça-feira (10) com a condenação de Diogo da Silva Leite pela morte de um bebê de um ano e três meses. O corpo da pequena Maria Clara foi encontrado pela Polícia Civil na tarde de 14 de outubro do ano passado.

Diogo era padrasto da criança. De acordo com o boletim de ocorrência, o criminoso decapitou a vítima com uma faca e atirou o corpo às margens da Rodovia Floriano Rodrigues Pinheiro (SP-123). A criança foi morta no dia 13 de outubro de 2020.

Levado a júri popular em Taubaté, o réu foi condenado pelo crime de homicídio triplamente qualificado (morte sem chances de defesa à vítima, crueldade caracterizado pela decapitação da criança e feminicídio).

Segundo a Justiça, ainda cabe recurso, mas o réu não poderá recorrer em liberdade e ficará preso no PII de Tremembé.