Jacareí e Taubaté pegam caminho inverso de Guará e cancelam eventos carnavalescos

Pindamonhangaba avalia a questão e deve se pronunciar em breve

Jacareí e Taubaté pegam caminho inverso de Guará e cancelam eventos carnavalescos
Bateria da escola de samba Boêmios da Estiva, de Taubaté (Crédito: Divulgação)

Ocimar Barbosa Os tradicionais desfiles de escolas de samba representam o melhor da cultura popular, com temas de relevância histórica ou social e sempre produzido pelas comunidades. Mas o comportamento social mudou, pelo menos por enquanto, e a alegria de Momo esbarra agora nas incertezas provocadas pela variante delta que ameaça a retomada da vida normal. 

No Vale do Paraíba, somente Guaratinguetá confirmou o desfile de suas seis tradicionais escolas de samba. Em Taubaté e Jacareí, as autoridades pública optaram pela suspensão, enquanto em Pindamonhangaba a questão está sendo deliberada, mas há sinais de que deve seguir também para o cancelamento.

Taubaté - Após reunião na tarde desta última terça-feira (16), a prefeitura de Taubaté decidiu cancelar o carnaval de rua 2022. O pacto ocorreu durante um encontro entre a Secretaria de Cultura e os presidentes de escolas de samba e blocos da cidade.

De acordo com nota a secretaria, a proposta da prefeitura é que as agremiações realizem ações de carnaval dentro das respectivas sedes ou barracões. Além disso, essas atividades deverão respeitar as regras sanitárias. A mesma regra vale para os blocos e carnaval de rua de Quiririm e outros bairros.

Em nota oficial no site da prefeitura de Taubaté, a Secretaria de Cultura promete apoiar em todos os sentidos para que as ações aconteçam. “Todo cronograma será previamente apresentado e aprovado pela secretaria de cultura, através do edital de chamamento que as entidades deverão se inscrever no início de 2022.”

Jacareí – Outra cidade da região onde os desfiles de escolas de samba também são altamente competitivos e atraem multidões é Jacareí. Nesta semana, a prefeitura anunciou o cancelamento das festividades momescas em 2022.

O anúncio da suspensão aconteceu em redes sociais por meio da Associação Jacareiense de Samba (AJASA), entidade que representa escolas de samba. Segundo a associação, o cancelamento se deve não só em função da pandemia, mas também por questões sanitárias e de ordem econômica.

Em reunião com representantes da prefeitura de Jacareí, as partes decidiram cancelar a apresentações de blocos e escolas de samba, pelo segundo ano consecutivo. A AJASA e a prefeitura assinaram um termo de acordo de intenção para que o desfile de agremiações carnavalescas retorne em 2023.


Pindamonhangaba - A tendência em Pindamonhangaba, onde não há desfiles de escolas de samba há uma década, é que também a vinda de blocos de fora da cidade como Juca Teles e Barbosa seja descartada, pelo menos é o que informa uma fonte interna da prefeitura.

No município, o Comitê da Pandemia já iniciou as discussões sobre o assunto, mas ainda não há  uma deliberação. Os membros do comitê alegam que os blocos luizenses geram aglomerações pesadas e defendem que o município realize alguma coisa mais simples, seguindo os protocolos de saúde.

Guaratinguetá – Após reunião com o o Prefeito Marcus Soliva, secretários e demais autoridades, a Organização das Escolas de Samba de Guaratinguetá (OESG) promoveu no último dia 6 o lançamento oficial dos festejos momescos de 2022. 

Em contato com o presidente da entidade, Tiago Domingos, ele ressaltou a importância que a festividade tem para o município, não só por sua riqueza cultural e diversidade, mas também por ser uma fonte de arrecadação com a vinda de visitantes para o município, ainda mais em período tão complicado da economia.

"Aqui em Guaratinguetá, com a vacinação em nível muito avançado e passando dos 76% de vacinação da segunda dose, a tendência é que isso aumente até o carnaval!”, disse o presidente da OESG.

Segundo Domingos, são mais de 40 dias sem casos de internação e óbitos nas cidades circunvizinhas à Guaratinguetá, muito positivo, pois o carnaval será no final de fevereiro e a tendência é que isso melhore. “Essa é a retomada de todos os setores de acordo com as medidas sanitárias e com a flexibilização que a gente tem acompanhado aí no Estado de São Paulo“.

O presidente da OESG também aproveitou para alfinetar os que criticam a realização do carnaval. De acordo com ele, os mesmos que não querem a festa são os que lotam as praias, querem Rock’n Rio e baladas. Tiago Domingos considera uma incoerência essa decisão ao constatar as praias - como a Praia Grande em Ubatuba - completamente lotada.

“O Litoral pode [reabrir], pra fazer o turismo em todo o país? Pode! Pra liberar o Rock’n Rio, todos os ingressos vendidos em poucas horas, pode! O Lollapalooza, todos os ingressos vendidos em poucas horas, pode!. O jogo São Paulo e Flamengo, 52 mil pessoas no estádio, também pode!. Isso é populismo barato! Se não realizar o carnaval, na minha visão, é mais uma descriminação. Bode expiatório, não!”, concluiu o presidente da entidade.